domingo, 22 de novembro de 2009

De volta pra casa !

Viajar é bom...mas chegar em casa também é bom !!
Vou falar a verdade: faz 2 mêses e meio que chegamos em Floripa, várias vezes tentamos escrever no blog, mas estávamos tão acostumados a contar nossas aventuras ao redor do mundo que de repente não saía nada...dizer que chegamos em Floripa seria dizer que a viagem acabou, então, acho que no fundo não queríamos que a viagem tivesse acabado.
Retomamos nossa vida em terra com novos planos e muitas idéias, sempre programando um futuro que nos possibilite a continuar a viajar/velejar, afinal é o que mais gostamos de fazer.
Estamos felizes demais com esta viagem que nos proporcionou muito aprendizado e que com certeza mudou ainda mais a nossa maneira de ver o mundo e valorizar a vida.
Gostaríamos de deixar nosso agradecimento e todo carinho aos nossos amigos e familiares que nos acompanharam sempre deixando uma palavra de incentivo, com certeza vocês fizeram parte desta história.
E não é que esta aventura rendeu foto na revista e tudo !!
Confira o casal aventura que saiu na revista Náutica no mês de outubro, nos sentimos orgulhosos em ser reconhecidos por uma revista que representa o mundo náutico no Brasil.

E agora está aberta a temporada de praia na ilha da magia !!!!!!
E de trabalho também.

Beijo a todos,
Rafinha.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

XXI Refeno



O dia amanheceu quente, mesmo querendo dormir um pouco mais para aliviar o cansaço acumulado pelo longo trabalho realizado a bordo nas duas últimas semanas, não conseguíamos mais dormir. Na verdade sofríamos um misto de calor e ansiedade. Finalmente estávamos no dia da largada da XXI Regata Internacional Recife-Noronha, e ainda havia alguns detalhes a serem resolvidos. Tomamos um café da manhã sem pressa, a Rafinha deu uma organizada no interior do VelaMore (um Veleiro Multichine 34 em aço que foi nossa casa por mais de 15 dias até então) e eu e o Durval e fomos à terra com o cabo da âncora para fazer a marcação de seu comprimento.
Algum tempo depois chegaram a Rose e o Jaime, o casal proprietário do VelaMore e nossos maravilhosos anfitriões em Recife, junto com a Gaby. Traziam suas bagagens, e muito gelo que seria necessário para manter nossas bebidas geladas por mais de 300 milhas náuticas do caminho entre o Cabanga Iate Clube e Fernando de Noronha.
Algum tempo depois chegou a Bárbara com mais gelo ainda, finalizando o que seria embarcado e completando nossa tripulação.
Ao meio dia e meio já estávamos nos últimos detalhes, acompanhando um movimento frenético de mais de 60 veleiros saindo pelo estreito canal de meia maré com destino à linha de largada da Regata.
Constantemente nosso trabalho era interrompido por alguma brincadeira, por alguma piada, por algum desejo de boa travessia de algum tripulante de outro veleiro participante, que já eram bem mais que isto, eram amigos, vizinhos, cúmplices de um desejo comum a todos, realizar em segurança a travessia e chegar a um dos locais mais lindos do litoral brasileiro, o Paradisíaco Arquipélago de Fernando de Noronha.
Ume e meia da tarde, já não havia mais o que esperar, a maré continuava subindo, o Velamore já flutuava orgulhoso, soltamos as amarras e iniciamos a nossa jornada.
O Cap. Jaime me passou a responsabilidade de levar o veleiro até a largada, e feliz da vida, fui manobrando o Vela pelo canal, sendo seguido de perto por um Jeanneau 54 do nosso divertido amigo e Skipper José (Zé Caretta), com ambas tripulações descontraindo e pegando no pé uma da outra.
Duas e vinte chegamos ao Pernanbuco Iate Clube, local de espera para a chamada dos grupos de largada. Nosso grupo era o Vermelho, o primeiro e maior grupo a zarpar, então nossa espera seria bastante curta.
Três e quinze, soltamos as amarras da trainerinha que nos mantinha parados em meio à corrente que entrava forte pelo canal, e lentamente fomos seguindo para as bóias de checagem de tripulação pela Comissão de Regata, todos a bordo uniformizados com a camisa dos patrocinadores, dando tchau para a multidão na margem, felizes e ansiosos.
Eu timoneando com atenção para não fazer nenhuma besteira, o Cap. Jaime confirmou nossa tripulação, foi dado o sinal de 4 minutos, estava chegando a hora.
Três minutos, dois, um... tentei nos colocar em uma boa posição para a largada mas a raia já estava cheia, com o comando de voz dei o bordo por trás de um veleiro em Aço gigante,argentino, o Viejo Lobo, a turma toda trabalhou em conjunto, o Durval e o Jaime na Genoa, as meninas na escota da Mestra, acertamos o rumo e lentamente largamos.
Ficamos muito por dentro do canal, na sua parte mais funda e consequentemente com mais corrente contrária, e vimos a turma nos ultrapassando, mas o clima era de confraternização, não de competição. Quando conseguimos espaço orçamos e saímos do canal, ganhando mais velocidade e começando a tirar a diferença entre nossos amigos.
Nos posicionamos na frente dos concorrentes da nossa classe na largada, mas a corrente contrária nos colocou em último, tínhamos que trabalhar sério agora.
Todos a bordo na espectativa, o Cap Jaime,o Durval e eu discutindo alguma estratégia, todos tentando trimar o melhor possível as velas, e fomos tirando a distância.
Eu tentava fazer o melhor possível na Roda de Leme, assim como cada um a bordo em sua função, e estava dando resultado. Saímos do canal do Porto de Recife já bem próximos do Mahi Mahi e tirando a distância que o Minerin tinha aberto na largada.
Finalmente mar aberto, finalmente estávamos velejando no Atântico, e, o mais importante, agora tínhamos mais liberdade para escolher nosso rumo.
Tínhamos que montar uma bóia antes de podermos fazer rumo direto ao arquipélago, e vimos os veleiros maiores dando o bordo com rumo à ela, o que nos pareceu ser um pouco cedo. Decidimos por uma estratégia diferente, iríamos ganhar bastante altura para não fazer uma orça tão fechada rumo à bóia, e fomos o veleiro que mais subiu antes de rumar à bóia.
Vimos o Minerin dar o bordo bem antes, o Mahi Mahi ainda nos acompanhou por mais tempo, mas bordejou também, e nós seguimos por mais quase meia milha antes de cambarmos.
Quando finalmente o fizemos, tínhamos vento de través-alheta, a condição em que nosso veleiro mais anda, e saltamos de 3 para 6 - 6,5 nós, seguindo como um foguete azul para a bóia. Chegamos nela rapidinho, montamos com classe, mais uma vez com todos trabalhando juntos mas sem atropelos e mais uma vez nos juntamos com o pelotão.
Nossa estratégia tinha sido tão bem sucedida que perdemos de vista o Mahi Mahi e o Surazo, o veleiro chileno (segundo deste país a dar uma volta ao mundo) do Luís (primeiro chileno a dobrar o Cabo da Boa Esperança) e seus filhos Nicolas e Sebastián, trio gente finíssima que tinham se tornado grandes amigos durante nossa estadia no Cabanga, e ainda conseguimos colar bastante no Minerin.
Agora era um rumo direto até Noronha, 70 graus na bússula para ganhar alguma altura, atenção no Leme e paciência para aguentar o cotra-vento, a orça bem fechada que seria nosso destino nos próximos dias.
Seguíamos rumo ao paraíso, mas para chegar lá o caminho não seria fácil. Tínhamos vento entre 12 e 15 nós, na cara, mar picado e algumas ondas atravessadas. Lentamente a noite chegou e começamos o revezamento no leme, com cada um tentando sempre fazer o melhor possível, e estávamos andando bem.
Decidimos por turnos duplos, um no Leme e outro na regulagem das velas, duas horas cada turno, 4 de descanso, quem podia ajudava na comida ou ficava junto batendo papo e ajudando o tempo a passar, ajudando a esquecermos do extremo desconforto que é velejar em um ângulo fechado com o vento, que cria um balanço errático, chato mesmo.
No meio da primeira noite nos deparamos com a primeira calmaria, no rádio ouvíamos os veleiros mais a fretne comentando da falta de vento, 2 a 4 nós, deslocamento de um, dois nós, nada parecido com o que todos contávamos, ventos de 15 a 18 nós vindo de leste-sudeste que nos faria andar sempre acima de 5 nós, que nos faria vencer a distância entre 40 e 50 horas. Estava ficando claro a todos que a Regata seria mais demorada.
O dia amanheceu cinza, felizmente encontramos uma nuvem que se por um lado nos deixava molhados com sua chuva fina, por outro nos fornecia o vento que precisávamos para seguirmos em frente. Próximos ao meio dia, mais uma calmaria gigante.
O Cap. Jaime chamou todos ao Cockpit e fez uma breve reunião. Com a velocidade que estávamos mantendo, levaríamos 4 e não dois dias para chegar. Não tínhamos alimento suficiente para tanto tempo, tínhamos comida para mais, mas não alimento. Poderíamos seguir apenas na vela e não morreríamos de fome, mas seria um longo período comendo Miojo de copinho ou poderíamos ligar o motor, ser desclassificados da regata e chegar mais cedo. Decidimos esperar mais uma hora para ver o que aconteceria com o vento. Ele acabou chegando, mais uma vez com pouca intensidade, mas estávamos seguindo ao nosso destino mais uma vez, e ainda tínhamos boas chances de conseguir um lugar no pódium. No fim da tarde mais outra calmaria, esta ainda maior que as anteriores. Não havia mais o que ser feito, tínhamos que ligar o motor para tentarmos chegar, ou levaríamos 5 dias para fazer o percurso estimado em 2.
Com certa tristeza demos adeus à Regata, mas nosso objetivo principal era chegar em Noronha, e era nisto que estávamos focados.
Cerca de uma hora e meia após começarmos a motorar, ouvimos um barulho estranho vindo do motor, desligamos ele e o Jaime foi conferir.
Voltou da casa de máquinas com uma cara triste, chamou todos ao Cockpit para mais uma reunião... Era a Buxa do eixo do hélice, tinha se quebrado, não pódíamos mais contar com a ajuda do motor, o vento estava próximo do zero, votamos e por unanimidade decidimos pela precaução. Decidimos voltar para Recife.
Em quase 30 horas tínhamos feito menos de 90 milhas náuticas, quando deveríamos ter feito mais de 140. Era isto, é assim que se deve proceder no mar, a precaução tem sempre que ser a prioridade, e nisto o Cap. Jaime foi exemplar.
Demos o bordo, proa para Recife, o vento já não era mais contra, e mesmo fraco, nos empurrava de volta, acabou-se desconforto físico, mas agora tínhamos que lidar com a postergação do sonho de chegar a Noronha velejando.
Fizemos um feijão quentinho para levantar o astral a bordo, ligamos o piloto automático, a noite surgiu estrelada e lentamente voltamos.
Acabamos chegando ao Pernambuco Iate Clube no meio da tarde seguinte.
Fomos vencidos pela falta de vento e por um problema mecânico que ninguém poderia prever anteriormente.
Talvez se tivéssemos largado por fora do canal teríamos largado melhor.
Talvez se não tivéssemos mantido o rumo leste ao montarmos a bóia tivéssemos encontrado mehores ventos mais afastados da terra.
Talvez se tivéssemos carregado mais o barco com alimentos poderíamos ter esperado o vento entrar.
Talvez...talvez....
Mas a vida não é feita de "Talvez" e de "Se", a vida é feita de FATOS.
Os fatos eram de que o vento não apareceu, a comida era suficiente para nossos planos e fizemos o melhor possível na nossa estratégia.
E não podemos reclamar de tudo que aconteceu.
Fomos recebidos de forma maravilhosa por uma família MARAVILHOSA, a Rose e o Jaime, e as meninas Gabriela e Bárbara.
O Fato é que temos um grande amigo que nos conheceu através do nosso Blog e foi incansável na trimagem das velas, e tem se mostrado uma pessoa maravilhosa em todos os sentidos, o Durval.
O Fato é que fizemos vários amigos, conhecemos pessoas que têm o mesmo sonho que nós, que estão vivedo a mesma vida que nós, e, por incrível que possa parecer, não são poucos e são brasileiros, nascidos em uma terra em que decidir viver no mar é como decidir ser astronauta.
O Fato é que tive a oportunidade de ajudar a montar o veleiro e testar tudo o que aprendemos nos últimos anos, graças a uma incondicional confiança em mim depositada pelo Cap Jaime.
O Fato é que a Rafa fez o turno de igual para igual com os demais e teve mais uma constatação da sua qualidade marinheira.
E, principalmente, de que Noronha continuará lá, bem como as amizades que fizemos continuarão vivas, continuaremos nos corações daqueles que cativamos, e levaremos nossos corações ainda mais carregados de pessoas que nos cativaram.
E, continuamos vivos, felizes, apaixonados pela vida, e sedentos por mais aprendizagem e aventura!
É isto que levaremos na lembrança.
Tenho que ir, pois estamos indo a Porto de Galinhas curtir as belezas do nordeste.
Um abraço a todos
Mané e Rafa

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Em Recife para a Refeno

Quem não gosta de matar a saudade da família e da comidinha da mãe não é mesmo…
Pois é, minha estadia no sul foi a das melhores, na primeira semana andei meio aérea, também depois de tudo o que nos aconteceu…leva um tempo para aterrizar… depois entrei novamente no clima de “cidade grande “ e começei a resolver nossos assuntos futuros, renovar o aluguel do apto, matar a saudade dos amigos e deixar tudo certo para a inscrição da Refeno.
Depois da viagem do Mané pelo Rio Amazonas, ele ficou mais quatro dias em Manaus e em seguida seguiu para Recife onde iria encontrar o VELA MORE no Cabanga Yatch Club para ajudar na finalização do veleiro para a regata.
Eu queria logo ir para Recife, fazia três semanas que tínhamos nos dividido, a saudade era grande, decidi ir logo…resolvi tudo em Floripa, deixei o regime de engorda (rsrsrs) e adiantei minha passagem.
Cheguei em Recife, a Rose foi me buscar no aeroporto, e mesmo somente nos conhecendo por meio da internet, nos reconhecemos logo de primeira !!
Chegando no Cabanga, quando salto do carro vejo o Mané remando no botinho indo me buscar do outro lado da margem…ele abanava para mim com o remo, e eu corri na direção dele para o trapiche, ficamos horas abraçados: estamos juntos outra vez e no local combinado, deu certo!!
O Jaime e a Rose, proprietários do VELA MORE nos receberam muito bem, um casal de super alto astral, que nos deu a oportunidade de participar da Refeno e que nos conquistou com este sutaque gostoso dos recifences…“ôxiii“…“mai minino“…“apoi e prooooonto“…e suas filhas Bárbara e Gabriela, muito queridas, que incansavelmente nos ajudavam nas voltas de carro pela cidade…“mai mainha“…
Eles disponibilizaram o veleiro para ficarmos a bordo durante esta semana que antecede a regata, e nos unimos para deixar o veleiro todo certinho pra fazer bonito! Claro a idéia é vencer, mais o que vale mesmo é o espírito esportivo, e será um prazer conviver a bordo com estas pessoas maravilhosas que acabamos de conhecer e que já tornaram nossos amigos. Para nós, já ganhamos, poder estar aqui e conhecer tantas pessoas que fazem parte da elite de vela do Brasil está sendo uma alegria, se troca muita experiência e também se diverte muito, uma coisa também já se sabe, já ganhamos na classe do veleiro com mais tripulantes mulheres!!
Os dias de trabalho foram intensos, a verdade é que a lista de coisas a fazer nunca acaba, mas aqui tem que acabar, então tentamos conciliar o trabalho durante o dia, com as festas durante a noite. E por falar em festas…nem chegamos ainda em Noronha e o clima entre os velejadores já é assim: de festa!
Toda noite é um churrasco, uma cervejada…uma macaxeira…e é entre elas é que estamos tendo o prazer de conhecer tantas pessoas especiais, dentre eles o nosso amigo Durval que até então era nosso amigo virtual, sempre nos incentivando com seus comentários em nosso blog, e agora estamos aqui juntos ao vivo e a cores…e o melhor de tudo…tripulantes do mesmo veleiro, isso realmente é incrível !! Só faltou mesmo a Silvaninha !!!
Bom…amanhã será a largada e conseguimos finalmente atualizar o blog, pedimos desculpas mas realmente foram dias bem atarefados…mas não podíamos chegar em Noronha sem ter eu saído de Floripa e sem Mané ter saído de Manaus (rsrsrs).
Abraço a todos, bons ventos e nos vemos em Fernando de Noronha !

quinta-feira, 10 de setembro de 2009

Vídeo do Rio Amazonas

video

Vídeo sobre a etapa entre Iquitos, na Amazõnia Peruana e Manaus.
Mais de 2.000km pelo maior e mais caudaloso rio do mundo.
Espero que gostem das magens.
Obrigado por visitarem o Duplaventura.
Abraço
Manuel

sábado, 5 de setembro de 2009

Num Mar de Água Doce


Realmente, a aventura ainda não acabou.
Como a Rafa comentou no último Post, a Dupla teve que se separar, momentaneamente, é lógico.
Enquanto ela voltou à Floripa via Chile, eu voltei ao Brasil via Amazônia.
Nos despedimos com os corações tristes em Lima. Nossos aviões foram para a pista um atrás do outro, mas com destinos opostos, ela rumo ao sul, eu, ao norte.
Durante os quase 5 meses em que estivemos viajando juntos, conhecemos e fomos cativados por várias pessoas, que muito nos ensinaram e certamente, alguma coisa também aprenderam conosco. Infelizmente, para todas estas pessoas, chegou um momento de dizermos adeus.
Porém, agora este Adeus era diferente. Durante todo este período, nos despedíamos dos outros, muitas vezes com lágrimas nos olhos, com o coração cortado pela tristeza do momento, tentando adiar ao máximo, tentando manter os amigos próximos o quanto pudéssemos, mas o Adeus sempre vinha, porém sempre tínhamos um ao outro para consolar esta tristeza.
Sempre voltávamos ao nosso quarto, cabine ou barraca juntos, normalmente de mãos dadas, tristes, mas contando com o sorriso do outro como conforto, no ombro amado como apoio, na sinceridade do nosso amor como estímulo para seguirmos em frente, e continuarmos conhecendo novas pessoas especiais que nos levariam a novas despedidas tristes.
Mas o que fazer quando quem se vai é a pessoa amada?
Eu sempre viajei sozinho, sempre contei comigo apenas, sempre tive como companheira minha prancha, minha capa de prancha como conforto, minha mochila como apoio, minha barraca como casa. Nunca pensei que seria tão difícil voltar a estar sozinho na estrada.
Nos quase 10 anos em que convivo com esta pessoa maravilhosa que aceitou ser minha parceira eterna, perdi esta "manha" de me sentir bem rodando o mundo sozinho, mas algo aconteceu, não sou mais assim.
De uma forma que não consigo explicar, ela me completa, e assim, com o coração partido, e espiritualmente "incompleto", eu teria que continuar a aventura.
E desta vez seria aventura de verdade.
Saí de Lima com destino à Iquitos, capital da Amazônia Peruana, uma ilha no meio da Floresta Amazônica, com acesso apenas por barco ou avião.
Vôo tranquilo, no início sobre a Cordilheira Branca, com seus picos nevados, depois sobre uma imensa planície que inicia-se ali, no nordeste do Perú e segue até o Atlântico, sendo drenada por inúmeros rios que são os tributários do mais extenso e mais caudaloso rio do mundo, o Rio Amazonas.
Por este maravilhoso rio é que eu, como viajante solitário, teria que me reencontrar.
Logo na chegada à Iquitos, levei um choque com o incrível calor úmido da região. Enquanto sentia o calor escorrer pelo corpo e encharcar as roupas como apenas no México eu tinha sentido, parti atrás de um táxi disposto a não me meter a faca por ser turista. Todos pediam entre 20 e 25 soles, mas acabei fechando um por 8 soles, que ainda me levou à agência de passagens para o barco que me levaria à Santa Rosa, já na fronteira com o Brasil.
Iquitos é uma cidade relativamente grande, movida pelo Petróleo e pelo minério, mas a cada dia o Tráfico de Cocaína tem mais espaço em sua economia.
Acabei achando um Hostel por 15 soles (5 dólares) com Tv a Cabo e chuveiro decente.
Dei uma volta pela cidade mas acabei retornando logo ao meu quarto, pois o calor realmente estava demasiado.
No dia seguinte, cheguei ao Porto de Iquitos ainda a noite, para conseguir um bom lugar no Rápido Challenger Rápido por ser realmente veloz e Challenger, acredito que em homenagem para aquela nave espacial que explodiu no lançamento.
Era uma lancha de alumínio, com cerca de 30 pés (10 metros), 18 lugares, dois pilotos e um motor 225 hp que fez ela vencer quase 600km em 9 horas.
Experiência muito bacana, percorrer o rio lisinho a grande velocidade, vendo os povoados e choupanas passando rápido pela janela, observando os rios que seguidamente se juntam a este que no Perú é chamado Maranhón, depois Amazonas, até chegar ao Brasil e mudar de nome para Solimões, voltando a ser Amazonas apenas após Manaus, quando se junta ao Rio Negro.
Chegamos à Santa Rosa às 4 da tarde, fui carimbar meu passaporte com a saída do Perú e dei uma rápida visita nesta pobríssima cidade que muito lembrou-me aqueles filmes do Rambo no Vietnã dos anos 80, com barcos casa, choupanas de palha, palafitas, pontes suspensas sobre a lama que abundava por todos os lados. Realmente, estava em um dos lugares mais miseráveis que tive o prazer de pisar nesta vida.
Atravessei o rio mais uma vez e cheguei, após quase 5 meses, no Brasil.
Tabatinga, nossa porta de entrada pelo Alto Solimões, é uma cidade pacata e amigável, dominada pelas motos (7 paracada 10 habitantes), pelo forró e pelo Calypso.
Uma das maiores portas de entrada de Cocaína no Brasil, Tabatinga já teve um Delegado Federal que em entrevista mandou a "Pérola": "Em Tabatinga, quem não é traficante, vai ser!", provavelmente deve ter virado comida de jacaré.
Consegui um hostel por 15 reais, em quarto coletivo, mas estava vazio, o que me garantiu certa segurança, pois barato assim, seria grande a chance de ter alguns colegas de quarto meio suspeitos.
Passei 4 dias em Tabatinga, eventualmente caminhando pela Avenida da Amizade, que liga Tabatinga a Letícia, na Colômbia, que é bem mais segura, limpa e desenvolvida que Tabatinga. O bacana é que para ir à Colômbia e voltar ao Brasil, vai de moto, carro ou a pé mesmo, sem ter que mostrar nenhum documento ou pedir autorização.
No penúltimo dia de estadia, comprei minha passagem para o barco até Manaus, e quando voltei ao meu quarto, fui surpreendido por dois nativos da Guiana, em atitudes suspeitas, com perguntas ainda mais suspeitas, que me fizeram mudar de hostel em menos de 10 minutos. Com mochila cheia, computador, etc, não achei uma boa pagar para ver, mudei de hostel. Melhor pagar 10 reais a mais e dormir em segurança.
A viagem entre Tabatinga e Manaus, aproximadamente 1600km de rio, é feita em barcos chamados Recreio, aqueles de 3 andares, em que todos dormem em redes, e dura 5 dias e quatro noites descendo o rio e 8 dias e 7 noites subindo contra a corrente.
O barco que escolhi chamava-se Oliveira, estava extremamente bem mantido e fornecia comida de primeiríssima qualidade (pelo menos para o meu estômago).
Além de redes, pode-se dormir em camarotes com ar condicionado, mas aí perde-se muito do seu astral e um bocado de dinheiro.
Fui na rede mesmo, e se pudesse, teria seguido viagem até Belém, mais 5 dias, de tão confortável que este meio de transporte é.
Apesar das redes serem colocadas lado a lado, sempre se tem uns 10 cm entre cada pessoa, independentemente da posição que seu vizinho esteja na rede, garantindo o conforto geral.
Naturalmente, a população a bordo é tão variada quanto a Floresta Amazônica, encontrando-se deste turistas, índios, caboclos, madeireiros, defensores do meio ambiente, prostitutas, antropólogos, e, ceramente fantasiados entre estes, alguns traficantes que a Ploícia Federal se esforça em encontrar.
Nosso barco passou por dois "pentes finos", um sendo documentado por uma repórter argentina a serviço da Al Jazera Internacional (sim, aquela lá da terra do Bin Laden).
O rio é o ator principal desta novela de 5 dias, deslumbrando a todos com sua magnitude e força, muitas vezes em "atalhos" tão estreitos que se sente o cheiro da mata virgem, e em outras, com as margens tão distantes que quase não se vê o outro lado.
A vida animal também é abundante, com inúmeros botos, aonde se destacam os Cor-de-Rosa, um pouco maiores que o cinza, mas ainda assim menores que os seus primos da água salgada.
Por vez ou outra se vê uma Arara atravessando, uma canoa passando lentamente, choupanas solitárias no meio do nada, ribeirinhos pescando com fartura, e muitas, muitas crianças, que como qualquer criança de qualquer outro lugar do mundo, divirtem-se na água para espantar o calor úmido.
A comida a bordo, como em qualquer outra embarcação em travessia longa, é a atração mais esperada, e por aqui, não se espera muito por ela não.
O Café da Manhã é servido às 6, o Almoço às 11 e a Janta às 4 e meia da tarde. Isto faz o dia acabar cedo, normalmente a turma ainda se esforça para conseguir ver a novela, mas a maioria dorme mais cedo.
Aproveitei uma noite estrelada e fui na coberta do bar, lá no "telhado", deitei e fiquei admirando as estrelas naquela atmosfera limpa e sem luzes. Fiquei amarradão em ver o nosso Cruzeiro do Sul, gigante, me mostrando o caminho para casa.
Na última noite passamos por uma tempestade, em menos de 3 minutos o céu desabou em gotas grossas e raios azulados, a visibilidade ficou muito reduzida, o rio ficou com marolas de verdade, muita gente pegou o salva-vidas e quem não ria de nervoso, rezava.
A chegada em Manaus foi animada, bati muitas fotos com os amigos que fiz pelo trajeto, conferi de camarote o Encontro das Águas, entre o barrento Solimões e o Rio Negro, que realmente tem águas que justificam seu nome.
Acabei me juntando com um Israelense e uma Australiana, e raxamos um táxi para um Hostel.
A aventura no rio tinha acabado.
Quando iniciamos esta viagem, tínhamos alguma idéia do que aconteceria até o Panamá, depois tínhamos uma suspeita de que poderíamos ir ao Perú.
Estar em Manaus, depois de fazer mais de 2 mil kilômetros pelo Rio Amazonas, em nenhum momento da minha vida eu tinha imaginado.
Mas não são estas surpresas que dão um sentido especial às nossas vidas?
Um grande abraço a todos.
Manuel Alves

sábado, 29 de agosto de 2009

A aventura continua



Vocês pensam que acabou?
Não...não...não !!!
Fechamos sim com chave de ouro a etapa que estava previamente planejada desde a nossa saída do veleiro no Equador, claro como toda viagem...longa...os planos mudam e novas aventuras podem surgir, e quando se está com a mente aberta e disposto para enfrentar o que der e vier...as oportunidades vão surgindo e quando se vê: o universo conspirou para que as coisas acontecessem.
Rumo novamente ao mar, desta vez, para o nosso oceano Atlântico. Depois dos contatos que o Mané fez com o pessoal da REFENO (Regata que sai de Recife e chega em Fernando de Noronha) ganhamos um presente: participar da RFENO fazendo parte da tripulação do VELA MORE, um Multichine 34 de aço, construído pelos próprios donos.
Obrigado por esta oportunidade !!

Deixamos Cusco...maravilhados, muito felizes...eu já sonhava a algum tempo em conhecer Machu Picchu.
Voltamos a Lima para o mesmo hostel que estivemos antes, passamos três dias passeando nas ruas modernas de Miraflores, e já em clima de despedida jantamos uma parrilada de frutos do mar num shopping aberto e de frente para o mar, estávamos ali de frente para o oceano Pacífico, agradecendo os quase cinco mêses que passamos nele, juntos e só coisas boas aconteceram.
Acordamos cedo para o aeroporto, eu para Floripa e o Mané para Recife via Rio Amazonas.
Enquanto eu já estaria no mesmo dia no Brasil, ele estaria em Iquitos, última cidade do Peru, antes de começar a nevegar o Rio Amazonas.
De Iquitos, navegando, ele chegaria em Tabatinga (Brasil) e depois em Manaus.
Depois de um mês sem entrar numa embarcação, agora a experiência de navegar o maior rio do mundo em uma embarcação com redes para dormir e num mar (mar de rio) com crocodilos de certeza....rsrsrs....Vamos esperar que ele conte aqui suas histórias, eu como autora e agora também como leitora, estou anciosa por saber como estará sendo esta experiência.

quinta-feira, 27 de agosto de 2009

Com chave de ouro....

Punta Hermosa, sul de Lima, uma praia com constantes dias cinzentos, estávamos esperando por ondulação...quem sabe as ondas tornariam aquele lugar mais interessante, os raios de sol também tornariam com certeza aquele lugar mais bonito...mas eles não queriam mostrar suas caras, decidimos então seguir viagem. Para fechar com chave de ouro a passagem por este país tão imenso, escolhemos Machu Picchu como nosso próximo destino!!
Pegamos um táxi para Lima, dormimos num hostel em Miraflores, um bairro super estruturado, moderno e rico. Parecia outro país, estávamos acostumados com as paisagens humildes do litoral do Peru, e de repente nos encontrávamos num Peru bem desenvolvido, com arquitetura surpreendente e com grandes parques para lazer.
Acordamos cedo no dia seguinte, seguimos para o aeroporto eu, Mane e o Maurício, nosso amigo-primo-surfista que passou conosco duas semanas que mais pareceram dois meses, foram ótimos dias...a procura da “onda perfeita”. Além de surfarem Puemape, Huanchaco e Chicama, vivenciamos o cotidiano do povo peruano que fez da viagem uma imersão cultural....claaaro, não poderia ter sido mais divertido !!! Era hora de se despedir, ele de volta a Floripa, e eu e Mané para mais uma aventura!
Do avião podíamos ver Cusco, milhares de telhados grudados uns aos outros, encravados em meio a montanhas, era a capital do Império Inca encravada na realidade num vale, no Vale Sagrado.
Deixamos nossas tralhas no hostel, Sumac Wasi, situado no topo da montanha, o visual que se podia ver do terraço era espetacular, lindo...aquela cidade mística aos nossos pés!
Tomamos o tradicional chá de folha de coca, era uma forma de prevenir o mal estar causado pela altitude, os 3.500 metros poderiam causar enjôos, vômitos e fortes dores de cabeça...então antes que eles chegassem, detonamos o chá que já ajudava a esquentar o corpo. A folha de coca degustada em forma de chá ou simplesmente mascando, tem poder medicinal, ela ajuda na absorção do oxigênio e faz com que o organismo absorva 3 x mais os nutrientes dos alimentos, então permanecemos com mais energia por mais tempo.
Fomos gastar nossas energias caminhando pela cidade de Cusco e descobrimos que embaixo daqueles telhados grudados uns aos outros, existiam obras de artes feitas com pedras. Eram construções feitas pelos Incas com pedras encaixadas de forma perfeita, algumas delas podiam pesar mais de 100 toneladas e eram lapidadas de forma a encaixar em outra, formando grandes muros, que eram as casas e os templos.
As ruas estreitas com calçadas não mais de 50 cm de largura são disputadas por muitos turistas e fotógrafos. Tudo é arte...os cafés, restaurantes e lojas possuem uma decoração muito charmosa e autêntica, a Plaza de Armas é o centro e o encontro de todos que estão ali por um único motivo: Machu Picchu.
Fomos pesquisar com agências de turismo qual a melhor forma de se chegar à Machu Picchu, e descobrimos que além da trilha tradicional Inca, da trilha de Salcantay e do trem, existia agora uma forma de se chegar que era a maior parte de carro e um trecho de trem, a qual levaria 2 dias e 1 noite. Existia ainda uma outra que levaria 3 dias e 2 noites, esta com um trecho morro abaixo de bicicleta.
Dentro de nossas condições físicas, financeiras e temporais...rsrsrsrs...optamos pela de carro (2 dias e 1 noite).

Saímos cedo, pois tínhamos 5horas e meia para chegar à Hidrelétrica de carro, e depois pegar o trem que levaria mais 1hora, para finalmente chegar em Águas Calientes. Águas Calientes é a última cidadela antes de chegar em Machu Picchu, o objetivo era dormir em Águas Calientes, acordar cedo e chegar em Machu Pichu antes do sol nascer.
A viagem de carro, posso dizer que foi umas das experiências mais adrenalizantes da minha vida, senão a mais. Tínhamos que alcançar 4.025 metros de altitude através de uma estrada a beira de um penhasco, no começo as paisagens eram tão maravilhosas que eu cheguei a esquecer que existia um precipício a pouco menos de 1 metro do nosso carro. As montanhas com neve fazia parecer tudo perfeito, era perfeito sim...lindas paisagens com diversos tons de verdes e lagos que saiam fumaça.
Quando terminou o asfalto, a estrada se tornou estreita e muito sinuosa, e lá estávamos nós correndo contra o tempo para pegar o último trem que nos levaria à Águas Calientes. O nervoso batia quando vinha um carro no sentido contrário e os motoristas tinham que recolher cada um seu retrovisor para que não caíssemos no penhasco, mesmo com medo eu ainda tinha coragem de olhar lá para baixo e ver as pedras rolando...para uma pessoa que tem pavor de altura...como eu...sem dúvidas eu não repetiria esta dose !
Chegando na Hidrelétrica, foi uma emoção entrar no trem (classe backpackrs). Indescritível a beleza e exuberância daquele caminho perdido entre montanhas de pedras e floresta tropical, fomos durante 1 hora com a cabeça para fora da janela do trem aproveitando o visual, até chegar na cidadela (Águas Calientes) que se desenvolveu em torno do trilho do trem...inúmeros bares, cafés, hotéis e restaurantes ficavam de frente para o trilho, como se fosse a avenida principal da cidade...e era.
Sem despertador, acordamos depois do horário previsto e tivemos que sair correndo para pegar um ônibus que nos levaria a entrada das ruínas de Machu Picchu...deu tempo...chegamos antes de o sol nascer! E de queixo caído...entramos nas ruínas com os primeiros raios de sol inundando a antiga cidade Inca.
Impressionante, extasiante e gratificante...poder ver com os próprios olhos e caminhar dentro desta antiga cidade, acompanhamos o guia, que falava em um espanhol fácil, para entender toda a história e os porquês dos porquês, e mesmo com tantas respostas, ainda sobrava mistérios em relação a esta cidade, o que torna ela ainda mais interessante.







































quinta-feira, 20 de agosto de 2009

Melhor tripulação que eu já tive*



“Coração fraco nunca ganhou coisa alguma, deixe eles ser bravos, para dançar e cantar.”
- Ditado Africano

Adeus, meus amigos. Mané e Rafaela foram a melhor tripulação que eu já tive. Eles não apenas limpavam, cozinhavam, consertavam e faziam uma excelente vigia (Rafa pode farejar um barco antes mesmo de ele aparecer no horizonte), mas eles também conseguiram mudar a maneira sobre como eu me sinto em relação aos brasileiros, ao amor e à própria vida...

Logo no começo da viagem, Mané nos contou sobre as experiências anteriores deles velejando – como o barco cheirava à gasolina, era molhado, sujo e quase afundou, e como o capitão era maluco, e roubou o dinheiro deles... “mas”, disse ele, “It was really nice” (foi muito legal)...

Esse exemplo mostra a personalidade desse indivíduo singular. Não importa o quão difícil, desconfortável, ou sujo ele esteja, ele consegue sempre enxergar o lado bom. Explorado e mal-pago, desvalorizado, machucado e sangrando, Mané sempre encontrará uma razão para ser feliz...

O eterno otimista… chega a ser até um defeito.

Por pior que estejam as coisas, isso é o melhor que pode ficar. E isso é verdadeiramente o maior defeito do Mané: otimismo demais. Claro, você pode ter que levar algumas coisas que ele diz com um grão de sal: se ele diz que vai ter onda de 6 pés para surfar, é melhor você mesmo checar a previsão, pois pode não estar tudo isso.
Eu aprendi a regular o entusiasmo do Mané através das minhas próprias lentes realistas (pessimistas?).

Mas isso é apenas uma lombada na estrada para uma manifestação positiva. Olhe para a vida deles – eles fizeram acontecer coisas alucinantes, e eles estão apenas no começo. Como o Mané mesmo admite, se não fosse pelo extremo otimismo dele, ele não estaria casado com uma menina tão especial como a Rafaela. Se ele não acreditasse nos seus próprios filmes coloridos, ele seria mediano, igual a todo mundo, trabalhando em algum shopping em algum lugar...

Mandou bem, Mané. Não deixe pessoa alguma lhe dizer que você deveria ser mais realista!

Quanto à Rafaela, se ela tiver algum defeito, eu não sei o que é. Fácil de agradar, bem humorada, charmosa, e corajosa o suficiente para apoiar e acompanhar o Mané em suas aventuras malucas...
Eu só queria que ela tivesse uma irmã.

A evolução de nossa viagem foi muito interessante, “was really nice” (foi muito legal), como diria o Mané. Nós tivemos nossos momentos críticos, especialmente quando o barco estava içado no Panamá, mas nós tivemos nossos momentos mágicos também, e isso é o que velejar REALMENTE significa. Você não pode ter o bom sem o ruim, eles estão conectados. Velejar é o exemplo mais dramático disso: Um dia nós estaremos num sujo Panamá, sujo, chato, e gastando dinheiro como loucos. No dia seguinte estaremos em alguma praia de uma ilha paradisíaca, sozinhos, nadando em água cristalina, e comendo mangas colhidas das árvores...

Obrigado por segurar a onda nas horas ruins até as boas, e por fazer as horas ruins o mais fácil que se pode fazer para dar conta delas...

Também, obrigado por mudar minhas percepções sobre os brasileiros. Vindo do Hawaii, nós somos pré-dispostos a pensar nos brasileiros com barulhentos, pessoas agressivas ao extremo, que vem em matilhas como cães para se adonar das ondas... Bem, eu tenho que admitir que os havaianos são provavelmente tão maus no surf, mas quando você vem de algum lugar, você não olha de verdade para você mesmo bem de perto, olha? Mané e Rafa me ajudaram a evoluir para um novo entendimento da cultura brasileira, e eu acho que eu gostei disso...

Primeiro, Rafaela, quieta, fala mansa, e não-dramática (pelo menos em público), não pisa no calo de ninguém, não força a opinião dela, não tenta ser o centro das atenções. Isso é muito legal e muito refrescante numa menina tão bonita. Seja qual for a cultura... Elas são poucas e difíceis de achar, acredite em mim.

Próximo, Mané. Possivelmente o melhor diplomata na América Latina que alguém poderia pedir para ter... A primeira vez que cruzamos uma fronteira – no México – eu estava com o pé atrás em deixar ele falar com os oficiais. Como Capitão, eu sempre achei melhor dizer pouca coisa, falar o menos possível com eles, e manter a tripulação o mais quieta possível. No entanto, após começar uma conversa sobre futebol, algumas risadas se seguiram, e logo após o official da imigração estava nos fornecendo o e-mail pessoal dele, e nos convidando para jantar na casa dele… A partir daí, eu nomeei o Mané como nosso homem de frente em quantas situações fosse possível. Ele é uma pessoa do povo, e sabe como “engraxar as engrenagens” na medida certa.

Um exemplo perfeito veio no surf... Em um dia chuvoso nós chegamos de bote em um pico altamente protegido por locais no Panama. Os únicos surfistas na água eram os locais, e nós sabíamos que eles não estavam muito felizes em ver dois turistas… Mas… as ondas estavam bombando. O único lugar para deixar nosso bote ali era amarrando ele no barco dos locais... O que nós faríamos…?
“Mané” disse eu, “rema até lá, e vê se nós podemos amarrar nosso bote no barco deles”… Mandando ele para os leões… Então ele foi.

Agora, na maioria das partes do mundo, isso seria uma má idéia. Não apenas nós estávamos craudeando o pico deles e precisando da ajuda deles, mas também, nós éramos brasileiros... Deus nos ajude.
No entanto, Mané facilmente assegurou as boas graças deles, e acenou para mim com um OK para amarrar o bote… Após isso, ele conquistou a coisa mais legal que alguém pode fazer em um pico novo e com forte localismo: ele pegou a melhor onda do dia, e continuou entubando em toda linha dela, com todos os locais olhando e vibrando... Nós estávamos dentro! Mané sozinho nos elevou de repente da condição de cidadãos de segunda classe, para realezas do surf. Grandes sorrisos e risadas por todos os lados...

Daí em diante, eu me dei conta que brasileiros não são tão agressivos, quanto eles são vivos, cheios de vida, querendo viver completamente, conectados com pessoas, e preparados para viver e dar o máximo de suas forças agora, porque o amanhã pode nunca vir...

Agora essa é uma atitude que eu posso acreditar.

Eu apenas espero que um pouco do otimismo deles, da paciência, e da grande sorte tenha vindo para mim também. Esse cínico, cheio de manias, norte-americano. Eu também fiz um trabalho singular em viver minha vida para o momento, mais do que muitos outros, e nisso Mané e eu somos realmente irmãos. Mas eu me dei conta, existe um outro nível.

Mané precisa de absolutamente nada, então ele tem tudo. Rafaela tem tudo, então ela precisa de absolutamente nada.

Que todos possamos chegar lá eventualmente.

Mané e Rafaela, vocês serão meus queridos amigos por toda a vida. Felizes viagens!

-Capitão Cam

-------------
*Traduzido por Gustavo Otto, do original "best crew I ever had", postado aqui no Duplaventura em 21/07/2009.

quarta-feira, 19 de agosto de 2009

Nas alturas...












Foram apenas cinco dias no Equador, em Salinas, uma cidade pacata naquela época do ano, com uma paisagem desértica, muito diferente das paisagens verdes que estávamos acostumados a ver, este tempo foi o suficiente para decidirmos seguir em frente, agora por terra. Peru era o próximo país, começamos a pesquisar na internet para onde iríamos, começar por onde?
Podíamos começar pelo litoral norte do Peru, surfar Mâncora e Lobitos, tínhamos a possibilidade de pegar carona com um veleiro que estava precisando de tripulação e estaria indo pra lá, mas nossa saudade da terra nos levou a decidir a explorar a Serra da região norte do Peru. Colocamos a cidade de Chachapoyas no google Earth e cruzamos os dedos...
Uau!!! Fim do mundo total !!
Quando vi aquela cidadinha no mapa no meio do nada, aliás, no meio de muita montanha...confesso que suspirei fundo, mas tudo o que eu já tinha passado no meio do nada no meio do mar, não ia ser nada encarar aquela “lonjura” e aquela altitude.
Ficamos vibrando quando pesquisando vimos que Chachapoyas tinha a terceira maior cachoeira do mundo, ruínas, cânions, múmias, museus e muita aventura, um lugar ainda pouco conhecido por turistas, era pra lá que seguiríamos.
Fizemos o jantar de despedida com o nosso querido amigo e capitão, e no dia seguinte fizemos as malas, as tralhas...melhor dizendo...e partimos.
De Salinas pegamos um ônibus com duração de 3 horas para Guaiaquil (última cidade do Equador) e de Guaiaquil conseguimos a conexão para o mesmo dia para Piúra (primeira cidade do Peru).
Passamos a fronteira a noite tranquilamente, o ônibus tinha dois pisos, escolhemos o primeiro que tinha poltronas mais espaçosas, pois seriam 10 horas de viagem. Partimos eram 20:00 horas e lá por 22:00 horas serviram sanduíche e um refresco, encarei o sanduíche de queijo, mas o refresco que era colorido e servido em uma garrafa plástica de refrigerante preferi não encarar. O que sabíamos era que a situação higiênica do Peru era precária, a cólera ainda era um problema em determinadas regiões, então o cuidado com a alimentação teria que ser extrema.
Chegando em Piúra nos deparamos com carrinhos coloridos, sem porta, de três rodas...uma coisa esquisita mas engraçada ao mesmo tempo, achei que fosse carroça mas o Mané rindo da minha cara falou que era o táxi deles. Na rodoviária em Piúra resolvemos pegar o ônibus direto pra Chiclayo, já tinha um saindo em meia hora, só deu tempo de comprar gatorade, bolachinhas e embarcar novamente. Foram mais 3 horas, passando por uma região muito pobre, casas em cima de dunas infinitas. Chegando em Chiclayo no fim da manhã, uma cidade bem mais estruturada, compramos nossa passagem para Chachapoyas somente para 20:00 horas, então passamos a tarde inteira esperando dar o horário, andando pra lá e pra cá, literalmente... acho que fizemos uns 10 kilômetros caminhando na mesma rua.
Embarcamos no ônibus que levaria 10 horas para finalmente chegar em Chachapoyas, os assentos eram bem confortáveis, mas não tinha banheiro, então tentei colocar na minha cabeça que eu não sentiria vontade de ir ao banheiro...lá por quatro horas da madrugada o ônibus parou em algum lugar para as pessoas irem ao toilet....peguei meu rolo de papel higiênico (a dica para quem esta indo viajar para o Peru, sempre tenha papel higiênico no bolso) e fui ao toilet....que toilet???? Quando vi várias perninhas atrás de um caminhão, me dei conta que o banheiro era ao ar livre mesmo.
Chegamos em Chachapoyas eram seis horas da manhã, era uma cidadinha de arquitetura barroca, muito charmosa, e sem saber ainda para onde exatamente iríamos, resolvemos sentar num café e matar a fome. Comemos muito bem...um delicioso queijo branco, pães caseiros e um café bem quentinho. De repente um homem muito simpático, dono de um hotel veio nos oferecer hospedagem, deu seu cartão com o endereço, era ali pertinho...fomos conferir....perfeito!!! Ali seria nossa casa pelos próximos dias.
Ficamos enamorados por Chahcapoyas, realmente valeu a pena viajar tanto para chegar neste lugar (para quem não está disposto a enfrentar tanto ônibus, pode-se pegar um vôo direto para Chiclayo, depois não tem jeito....um ônibus de 10 horas de Chiclayo para Chachapoyas).
Foram maravilhosos seis dias nesta cidade que respira eco turismo, os lugares e atividades para se conhecer e fazer são muitos. O dono do nosso hotel (Las Orquídeas) quase toda semana saía pra fazer um treking de cinco dias, com turistas de todo o mundo, com destino final Kuelap, uma ruína Pré-Inca mais antiga que a ruína de Machu Picchu.
Com inúmeras agencias de turismo, elegemos a Turismo Explorer, que nos ofereceu passeios com guias para visitar a Cachoeira Gocta num dia e no outro dia visitar as ruínas Kuelap.
Depois de dois dias descansando e curtindo a cidade, fomos primeiro conhecer a terceira maior cachoeira do mundo, foi um dos lugares mais exuberantes que já fui, de carro passamos pela Serra da Cajamarca por 3 horas, magnífica...e depois fizemos um treking de seis quilômetros em meio à floresta até chegar à base da cachoeira que é perene e tem 770 metros de altura. Foi um dia inteiro de pura aventura e visuais maravilhosos. Para mim já tinha valido a pena !!!
Mais dois dias descansando....encaramos uma viagem de 4 horas pelos penhascos da Serra da Cajamarca em uma van que nos levaria a base das ruínas Kuelap. Chegando... fizemos um caminhado morro acima de 30 minutos até a entrada das ruínas. Fazia muito frio...o ar rarefeito e gelado da montanha de 3.000 metros de altura deixava as narinas doloridas. Em meio a nuvens com gotículas de água chegamos a Kuelap, posicionada no topo da montanha, podíamos ver a estrada que passamos lá em baixo, minúscula e sinuosa.
O primeiro visual foi de arrepiar, muralhas de pedra com 20 metros de altura que cercavam uma antiga cidade onde os Chachapoyas (Povo das Nuvens) moraram. O primeiro pensamento foi: como eles chegaram até aqui, e como empilharam tantas pedras...dizem que existe o triplo de pedras que foi utilizado para a construção das Pirâmides do Egito.
Foi um dia de muita história no interior das muralhas onde ficam as ruínas,...frio...e lindas paisagens!
No outro dia já estávamos querendo ficar mais dias nesta cidade...mais a viagem continuava e o próximo destino seria o litoral do Peru. Encontraríamos o Maurício em Pacasmayo para esperar a ondulação para surfar Chicama, considerada a onda mais longa do mundo.

by Rafaela Brogni

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

A Viagem continua....
















Fala pessoal...

Estamos em Lima, chegamos hoje de Punta Hermosa aonde fomos aproveitar o último swell que surfamos no Pacífico este ano.
Sabemos que estamos em débito com o Blog, mas a Rafinha já esta com o texto sobre o Perú até agora bem adiantado.
Para terem uma idéia do que rolou nestes quase 20 dias por aqui, vai um breve resumo:
Saímos de Salinas no Equador com destino à Piúra, de ônibus, 14 horas, com a passagem das fronteiras às 3 da madrugada.
Chegamos em Piúra logo cedo e seguimos direto para Chiclayo.
Chegamos em Chiclayo antes do almoço e pegamos outro ônibus para Chachapoyas às 7 da noite.
Chegamos em Chachapoyas às 6:30 da manhã.
Esta cidade fica na serra da Cajamarca, aproveitamos para matar as saudades das montanhas, fomos conhecer a terceira maior cachoeira do mundo - Gocta com 711 metros (tem o filme aqui em baixo), e a Cidadela Pré-Inca de Kueláp (mais outro vídeo abaixo).
Depois descemos para o litoral norte, encontramos o Maurício, em Pacasmayo, praia com ondas excelentes, mas não nos dias em que estivemos por lá.
Conhecemos tambem Puemape, com ondas um pouco melhores no fraco swell que estava presente na época.
Cansados da miséria de Pacasmayo, resolvemos ir até Huanchaco, berço do Surf nos Cabalos de Totora (embarcações de pesca feitas de uma espécie de junco, em que os pescadores voltam surfando as ondas após a pesca, a mais de 3 mil aos atrás), conhecemos um pessoal legal e estamos formulando um bom projeto de intercâmbio com a Ass. Catarinense de Escolas de Surf, e surfamos mais um pouco.
Também aproveitamos para conhecer uma cidade de barro, de idade pré-inca, aonde já viveram mais de 60.000 pessoas, chamada Chan-Chan. De cair o queixo a ligação deste povo com o mar. Todos os detalhes em alto-relevo lembram redes, ondas, pássaros marinhos, até a cortiça das redes esta representado no barro.
Esperamos em Huanchaco pela entrada do swell em Chicama, a onda mais longa do mundo, e não nos arrependemos. Chicama estava majestosa.
Depois, com mais uma baixada no swell resolvemos descer até Punta Hermosa, que fica do lado de Lima, para tentar mais sorte com as ondas.
Mais uma vez pouco swell, mas mesmo assim deu para pegar umas boas ondas em Punta Rocas.
Agora estamos aqui, em um hostel no centro de Lima, esperando o tempo passar para amanhã cedo seguir rumo à Cusco, Machu Pichu e suas maravilhas.
Devemos ter feito mais de 3.000 km neste período, tudo certo graças a Deus.
Mantenham-se antenados, que a Rafa deve colocar mais um texto bem longo em breve.
Obrigado por acompanharem nossa viagem.

Mané e Rafa