quinta-feira, 12 de abril de 2012

Puerto Lindo - Panamá

Já era hora de voltar, deixamos Floripa rumo ao Brava, rumo á Panamá.

Conseguimos chegar na Panamarina depois de vários taxís e vários ônibus, atravessamos para o lado do Atlântico e quando chegamos, depois de algumas horas de viagem num calorão quase que insuportável, lembramos que valia a pena tudo isto, estávamos num paraíso a bordo do Brava. E então recomeçamos nossa vida, mais um ano cheio de lugares a conhecer, pessoas e experiências, que viriam nos dias a seguir.

Nosso objetivo neste momento era consertar a caixa de marcha do motor, mas não podíamos fechar os olhos para a beleza do lugar em que estávamos e então decidimos fazer tudo com calma, aproveitando cada etapa. As peças para o conserto já havia sido pedidas, vinham dos EUA, restava apenas esperar chegar.

A cada dia era uma surpresa, novos pontos de mergulho com água totalmente cristalina e fundo de coral, eram descobertos. Ilhas pequenas de areia branca e coqueiros estavam próximas, era só pegar o dingue e em 10 ou 15 minutos já estávamos nelas. Passagens secretas dentro do mangue, prainhas e mais prainhas que contornam a costa, pontos de surf em vários locais, macacos, bicho preguiça...tudo isso nos deixava babando pelo lugar, parecia que podíamos ficar por mais um bom tempo aqui. A estrutura não é boa, é difícil ir ao supermercado, cerca de 1 hora de ônibus, não existe nenhum tipo de comércio, somente vilareijos de pescadores. Eu diria que estamos no fim do mundo, mas isso não quer dizer que seja pior ou melhor, é somente uma nova experiência e outras coisas passam a ser valorizadas comparadas quando se têm as facilidades de estar num lugar totalmente equipado. A certeza aqui é que a natureza passa a ser a cereja do bolo.

Isla Mamey, Isla Grande, Isla Linton, Isla Palina, Puerto Lindo, Vila Cacique e Puerto Belo são lugares que atualmente frequentamos, todos ao redor do Brava.

Aí em baixo é Isla Mamey, bem famosa entre o rol dos pontos turísticos do Panamá. E depois um vídeo com fotos que mostram o que a gente tem vivido por aqui.





video

sábado, 7 de abril de 2012

Enquanto isso...em Floripa!

Floripa!

Família, Amigos, Praia Brava, Escola de Surf Primeiras Ondas, Festas...Trabalho.

Nosso Porto Seguro!

Lagoa do Peri e Praia da Armação - Florianópolis


Natal e família em casa !


Amigas na praia Brava e a escolinha no fundo.


Aquecimento no costão direito da praia Brava.


Nossa aluna - Alice de cinco anos.


video

Voo na praia Brava com a PARAGLIDER ESPORT
falar com Amir 9972 7979

San Blás e Purto Lindo - Panamá

San Blás nos acolheu da melhor forma possível, depois de uma travessia difícil, fomos presenteados com mar tranqüilo e cristalino, fundo de coral com lagostas e peixinhos coloridos. Ancoramos em Holand Cays, em volta somente ilhas de areia brancas e coqueiros, propriendade dos Kunas Yala, população indígena local que se mantém da pesca e alguma agricultura. Moram em ocas, dormem em redes, não tem luz elétrica e colhem água da chuva. Se deslocam nas antigas canoas feitas de um único tronco de árvore, produzem artesanato, as Molas, que são comercializados por eles próprios, se vestem com roupas típicas e sua sociedade é matriarcal. O Vitor é o chefe de Holand Cays, um senhor muito gente boa que recebe os cruzeiristas dando informações gerais sobre as ilhas. É cobrado 10 dólares pela ancoragem, por trinta dias. San Blás não tem mercadinho, internet, telefone...somente ilhas paradisíacas, iguais as do seu sonho, um lugar que parou no tempo, um lugar que existe de verdade.

Encontramos com o Cameron , ele tinha saído de Curaçao cerca de uma semana antes de nós, passou em Aruba para pegar a Cibele que chegou de avião e foram os dois a caminho de San Blás, nosso ponto de encontro. Depois de uma semana já em San Blás é que fomos encontrar com eles, foi aquela festa...conseguimos enfim, estar juntos curtindo (não mais trabalhando no Morning Calm) em algum lugar paradisíaco do planeta Terra, ou melhor...planeta Água.

Fomos ancorar em Coco Bandero, outro conjunto de ilhas e lá passamos dias maravilhosos, fazendo pic nic nas praias, mergulhando, fazendo jantares, conversando sobre a vida e os futuros planos.

Futuro plano: tínhamos que zarpar, sem a caixa de marcha...próximo parada seria Isla Grande, ou Porto Belo, precisávamos agora resolver o problema do motor, Bocas Del Toro ficaria para depois. O que levaria um dia, levamos três para chegas em Isla Grande, sem vento e sem motor, tudo o que andávamos durante o dia, a corrente nos trazia de volta durante a noite, onde o vento parava totalmente. A deriva, que sensação horrível, ver a terra e não poder chegar nela...e num belo fim de trade, no últimos raio de sol (para variar) conseguimos ancorar em Puerto Lindo, nenhum dos lugares planejados, mais uma vez provamos que o mar é quem manda, deixa ele me levar...

Resolvemos ficar então por aqui, já estávamos entrando em dezembro...hora de voltar pra Floripa, não dava tempo de resolver o problema do motor, precisávamos de peças novas, que ainda viriam dos EUA, voltei ao Brasil dia oito, afim de arrumar nossa casa para o natal, e o Mané ficou até dia vinte e três, colocou o Brava na Panamarina e ainda conseguiu ajeita-lo para ficar sem nós por dois meses. Foi emocionante quando deixei o Brava, passou um filme de tudo o que já tínhamos passado com ele, era como se eu estivesse deixando um filho, hehe.

Mamãe já volta!

Ancoragem em Puerto Lindo.